//O ESTADO DA SÍNDROME DE ESTOCOLMO. Johel Rodrigues

O ESTADO DA SÍNDROME DE ESTOCOLMO

 

    – Johel Rodrigues –  

 

 

Quando se pergunta o que um político fez em seu mandato para justificar sua reeleição, é muito comum ouvir que tal político ampliou a quantidade de pessoas beneficiadas pelo bolsa-família, construiu mais hospitais públicos, trouxe mais unidades do SUS para a cidade, instituiu escolas públicas voltadas para atender às necessidades especiais de crianças marginalizadas, aprovou a lei de cotas para minorias ou desprivilegiados, aumentou o seguro-desemprego, manteve o nível dos preços dos transportes públicos ou ainda que aumentou o policiamento na cidade para a guerra ao tráfico, trazendo maior sensação de segurança à população.

Chega quase a ser verossímil acreditar que é desumano votar contra esses políticos e não ser a favor de medidas como as listadas anteriormente, as quais não seriam possíveis sem o aparato público.

Sim, é verdade, as medidas que caracterizam o estado do “bem-estar-social” não seriam possíveis sem este aparato, pois é este justamente o responsável pelas ações cujas consequências tornam necessária a própria intervenção estatal.

Confuso? Pois então veja a semelhança entre as consequências de algumas políticas públicas e o quadro psicológico desenvolvido por pessoas vítimas de sequestro, vítimas dos cenários de guerra ou submetidas à grave violência doméstica ou familiar. Esse quadro é mais comumente conhecido pelo nome de Síndrome do Estocolmo e é bem caracterizado pelo trecho a seguir extraído da Wikipédia:

 

As vítimas começam por identificar-se emocionalmente com os sequestradores, a princípio como mecanismo de defesa, por medo de retaliação e/ou violência. Pequenos gestos gentis por parte dos captores são frequentemente amplificados porque, do ponto de vista do refém é muito difícil, senão impossível, ter uma visão clara da realidade nessas circunstâncias e conseguir mensurar o perigo real. As tentativas de libertação, são, por esse motivo, vistas como uma ameaça, porque o refém pode correr o risco de ser magoado.

 

O fato é que as engrenagens que movem esse aparato político têm dentes pequenos, mas afiados. As reentrâncias compartimentadas em forma de ausência de informação são tão minúsculas que tornam quase impossível às vítimas conseguirem discernir a realidade, isto é, as causas daquilo que torna a situação tão penosa para elas.

 

É muito compreensível, então, que o seguro-desemprego seja tão desejável quando existem inúmeros impostos/”contribuições” e uma liberdade contratual tão escassa, tornando o processo de contratação/demissão e abertura de novas empresas tão demorada e custosa, que fica quase impraticável alguém sair do trabalho atual para um novo em um curto período. Torna-se ainda mais compreensível quando a vítima é auxiliada por tal seguro, afinal é esta ferramenta que a impediu de sofrer privações nesse período de transação.

É completamente plausível a vítima ser a favor de ações de “distribuições de renda”, quando o governo paga seus títulos imprimindo dinheiro, distorcendo e inflacionando os preços no mercado, e quando tributa acentuadamente produtos alimentícios. Torna-se até quase irrefutável quando o benfeitor governo subsidia grandes fazendeiros de modo a tornar a nossa comida mais barata para o exterior e mais cara para o consumidor nacional!

É inteiramente factível a vítima ser a favor de políticos que mantenham o preço das passagens de ônibus, quando estes tomam sua renda e a usam para subsidiar uma gasolina taxada em mais de 100% sobre o custo e, ainda assim, cada vez mais aguada. É só você imaginar o quanto essa tributação é convertida em ruas esburacadas e engarrafamentos grotescos que você começa a entender que isso é o mínimo que se pode pedir em um ambiente em que a iniciativa privada praticamente não tem atuação, o transporte coletivo.

Chega a doer os olhos, assim como dói quando você fica muito tempo no escuro e vê a luz exterior, de tão claro que é o fato de o sistema público de saúde ser imprescindível quando o cidadão de baixa renda possui péssimas condições de saneamento, esgoto, se alimenta mal, fica estressado no trânsito e carece de serviços de prevenção médica.

Emociona, assim como emociona ouvir o canto dos pássaros depois de nada mais ter escutado que silêncio e pensamentos sombrios na sua cabeça, o bravo clamor à igualdade de oportunidades que é propiciada pelo estado por meio de cotas, quando se é refém de um sistema público básico, fundamental e médio de ensino de péssima qualidade que por si só é um dos principais responsáveis pela manutenção da pobreza, da imobilidade econômica de certos indivíduos e pela atratividade de atividades ilícitas em um ambiente em que ser honesto exige cada vez mais sacrifícios.

É tão palpável a violência causada pelo tráfico de drogas, a qual se materializa em diversos roubos e assassinatos, que se torna absolutamente plausível ser a favor da proibição do consumo de entorpecentes e a favor da guerra às drogas. É completamente compreensível (e aqui, como nos parágrafos anteriores, falo com toda sinceridade) ser a favor da proibição quando você teve um parente vítima da violência causada pela guerra ao tráfico ou vítima do vício irrefreável das drogas. Sim, admito e me compadeço, podem acreditar; mas ainda assim é necessário enxergar que quem lhe leva à guerra é o mesmo que lhe cede a arma e o condecora ao término, vivo ou morto. Quem combate o tráfico é o mesmo que confere a pessoas de má índole o monopólio da comercialização de drogas e, portanto, lhes confere poder.

Há indivíduos que argumentam, e esse tipo de argumento não provém de vítimas dessa situação, que pessoas que estão no estado de baixa renda não teriam condições de ter suas necessidades atendidas pela iniciativa privada. Porém, elas realmente o são agora pelo sistema público? Se a população não tem condições de arcar com o custo de hospitais e escolas privadas, por que ela teria condições de pagar, sumultaneamente, por péssimos hospitais, por péssimas escolas públicas e, principalmente, por uma péssima administração pública para administrá-los? A iniciativa privada no âmbito principalmente da educação, saúde e empreendedorismo é realmente livre ou também é refém, afinal?

Para a última pergunta, eu diria que sim, a iniciativa privada infelizmente também é refém, mas é uma vítima que talvez se torna menos alheia à própria situação, e, mesmo sob condições adversas, é capaz de operar alguns milagres por ter uma janela de reação maior. É assim, sob condições adversas ao empreendedorismo, que médicos do Sírio e do Einstein abriram uma clínica na entrada da favela de Heliopólis, em São Paulo. É assim, sob condições que no Brasil denominamos de penúria, que em Gana pais ganhando cerca de cinquenta dólares por semana preferem matricular seus filhos em escolas particulares às públicas disponíveis.

A visão de quem foi vítima desse aprisionamento de idéias, sem dúvida, merece ser respeitada, porém urge que chamemos a atenção para o fato de que o melhor médico não é necessariamente aquele que um dia contraiu a doença que está combatendo. A realidade, infelizmente, pode não ser a mesma para todos, mas a razão ainda segue ao lado daqueles que enxergam um pouco mais longe e conseguem vislumbrar o jogo por um ângulo melhor. Daqueles que percebem isso a tempo antes de serem acometidos por esse estado nada saudável de coisas, o estado da Síndrome de Estocolmo.

*Artículo cedido por el Instituto Mises Brasil (versión portugués)
2017-09-08T19:50:32+02:00

One Comment

  1. joodavilucas February 18, 2018 at 3:39 am - Reply

    Ciência interativas a serviço dos negócios Digitais.

Leave A Comment