NÃO FAZ SENTIDO ESTIMULAR A DEMANDA E O CONSUMO; A ENCRENCA SEMPRE FOI A PRODUÇÃO

 – Iván Carrino – 

  Chuck Noland está sozinho naquela ilha do Pacífico. Já se passaram vários dias desde o fatídico acidente aéreo que o levou até ali. Noland já comprovou que está em uma ilha completamente deserta. Sua única companhia é “Wilson”, uma bola de vôlei com um rosto pintado à mão por Noland para que ele não se sinta sozinho.

  No filme protagonizado por Tom Hanks, Noland trabalha para a empresa internacional FedEx. O avião em que ele estava sofre um acidente grave e Noland vai parar em uma ilha deserta no meio do Oceano Pacífico. Subitamente jogado nesta situação, este náufrago tem de aprender a sobreviver sob as mais adversas, imprevisíveis e inclementes condições, enfrentando as intempéries de natureza.

  Mais ainda: ele tem de se virar para encontrar alimentos e outros elementos da natureza que o permitam construir um teto para se abrigar do frio da noite e da insolação do dia. Nada surge pronto. Tudo tem de ser trabalhado e produzido.

  Náufrago, lançado no final de 2000, arrecadou US$ 430 milhões e foi um grande sucesso comercial. Não obstante, além de seu êxito de bilheteria, o filme também fornece uma lição básica de economia, lição essa que, curiosamente, muitos analistas e políticos ignoram completamente sempre que lançam suas propostas.

  A lição de economia do nosso herói é que, para consumir algo, este algo tem antes de ser produzido. Na ilha deserta, Chuck Noland tem de comer. Para comer, ele tem antes de pescar. Para pescar, ele tem de aprender a pescar. Se ele não pescar, não terá produzido nada. Como resultado, não terá nada para consumir.

  Caso Noland estivesse com uma valise cheia de dólares ou de ouro, nenhuma diferença faria. Caso Noland estivesse em companhia de outras pessoas, e todas elas estivessem apenas pensando em como gastar esse dinheiro, não haveria nenhuma melhora em termos de bem-estar. Aquela valise com dinheiro, por si só, não teria absolutamente nenhuma serventia em fazer surgir bens e serviços. Estes continuariam tendo de ser trabalhados e produzidos.

  Embora ambientado em uma ilha deserta, o filme mostra uma realidade exatamente igual à do nosso mundo: só conseguimos satisfazer nossas necessidades se antes produzirmos algo.

  Quando vamos ao supermercado, compramos provisões e insumos que utilizaremos para cozinhar. Só que, para que possamos fazer essas compras no supermercado, temos de pagar a conta. E, para podermos pagar a conta, temos de ter uma renda. E, para termos essa renda, tivemos antes de oferecer um produto ou serviço no mercado.

  Na economia de hoje, não há consumo sem renda. Porém, não há renda se antes não houver produção.

  Consequentemente, é impossível estimular compras no supermercado, de maneira contínua, se os consumidores não houverem antes produzido algo.

  Igualmente, é impossível estimular compras no supermercado se os produtores de alimentos não tiverem antes produzido esses alimentos que estão sendo vendidos no supermercado.

  No extremo, se o governo simplesmente criasse dinheiro e repassasse para esses consumidores, o problema da produção de alimentos continuaria inatacado. Quem irá produzir alimentos se o governo está dando dinheiro para as pessoas e essas pessoas nada têm de produzir em troca? O eventual produtor de alimentos passaria a ser um escravo: ele produz alimentos e, em troca, nada tem para consumir, pois as outras pessoas não estão produzindo mais nada. Elas estão apenas consumindo seus alimentos e não estão oferecendo em troca nenhum bem ou serviço.

  Desnecessário também enfatizar que esta política de estímulo ao consumo irá inevitavelmente impulsionar a carestia: muitas pessoas querendo consumir, poucas pessoas efetivamente produzindo. No final, termos apenas preços mais altos e redução total da produção.

  Por isso, chama a atenção que políticos, analistas e até mesmo economistas ainda insistam, com tanta ênfase, na necessidade de “estimular o consumo”.

  A única maneira sensata de estimular o consumo é aumentando a renda das pessoas. Mas a renda das pessoas só é aumentada se elas aumentarem sua produção. Ou, no mínimo, se aumentarem o valor agregado desta produção.

  Se eu vendo dez garrafas de vinho por mês e quero ter “mais dinheiro no bolso”, terei apenas duas alternativas: ou eu vendo mais garrafas de vinho, ou eu passo a produzi-las de maneira mais eficiente (reduzindo custos), da maneira a aumentar meu lucro líquido por cada garrafa vendida.

  Se o governo estimular o consumo da população facilitando o crédito para as pessoas (leia-se: aumentando o endividamento das pessoas), a medida é claramente autoabortiva. Afinal, como essas pessoas — que não estão aumentando sua produção — irão quitar essa dívida?

  Se um indivíduo aumenta seu endividamento, mas não aumenta sua renda (ou seja, sua produção), ele não tem como quitar essa dívida. (Até porque, caso as pessoas estivessem aumentando sua produção, então elas, por definição, não precisariam de crédito artificial para aumentar seu consumo). No cômputo final, esse endividamento visando ao consumo não gera aumento da produção.

  Além do estímulo ao endividamento, há vários economistas que também defendem a ideia de que o governo deve fazer uma redistribuição de renda para permitir o consumo dos mais pobres. Também neste caso o problema da produção segue impávido. Mais ainda: o próprio consumo, por definição, não será estimulado.

  Afinal, se o dinheiro é extraído de uma fatia da população e repassado a outra fatia, isso não gera um aumento líquido do consumo. João poderá consumir mais graças aos $ 100 que recebeu do governo, mas Pedro consumirá menos porque agora tem $ 100 a menos por causa do aumento dos impostos.

  O mais irônico de tudo é que mesmo estes economistas que querem estimular o consumo por meio da redistribuição de renda partem do princípio de que já houve uma produção prévia. Do contrário, nada haveria a ser consumido. Portanto, eles até entendem a teoria; apenas não conseguem levá-la adiante até suas conclusões inevitáveis.

Conclusão.

  Quem defende políticas de estímulo ao consumo está querendo comer um bolo sem antes tê-lo manufaturado.

  Por definição, nunca há um “problema de demanda”. Demandar é algo que ocorre naturalmente; demandar é intrínseco ao ser humano. A partir do momento em que você sai da cama até o momento em que você vai dormir você está demandando coisas. Demandar coisas é o impulso mais natural do ser humano. É impossível viver sem demandar. Por isso, a ideia de que é necessário “estimular a demanda” é completamente ilógica. A demanda é algo que ocorre naturalmente pelo simples fato de sermos humanos.

  O problema não é e nem nunca foi “estimular a demanda”. O grande problema sempre foi criar a oferta.

  De nada adianta haver demanda se não houver oferta.

  É exatamente a oferta o que sacia a demanda. E simplesmente demandar algo não fará com que, magicamente, a oferta deste algo aconteça.

  Para entender este básico nem sequer é necessário ler tratados de economia. Apenas vejam o exemplo de Chuck Noland no filme Náufrago e perguntem a si próprio: há ali um problema de demanda ou de oferta? Como a personagem pode aumentar seu consumo? Se ele tivesse uma valise cheia de dinheiro, haveria aumento de seu consumo?

  Eis o fato incontornável: não é possível aumentar o consumo sem antes haver um aumento da produção. E para que haja um aumento da produção é necessário um ambiente que seja propício à produção. Em nossa economia real, eis o que estimularia uma maior produção: redução da burocracia, redução das regulamentações, redução das incertezas geradas pelo governo, redução dos impostos, redução dos gastos públicos e, principalmente, maior poupança.

  Exatamente o contrário do que propõem vários políticos demagogos e demais “especialistas” no assunto.

*artígo cedido polo instituto Mises Brasil (versión portugués)